PANORAMA – O PRIMO QUE VOLTOU DA DISNEY

joey

Todo mundo já teve um primo que voltou da Disney. Aquele ser que após sair da caverna retornava para contar aos enclausurados toda a maravilha que existe do lado de fora. Aquele primo que voltava com um verdadeiro tesouro entre as mãos: brinquedos com cores, formas e luzes nunca vistos antes.
Trazendo dos Estados Unidos, o manjar dos deuses, aquele biscoitinho de polvilho queimadinho, aquela última bolacha do pacote enfim, aquela uma lembrancinha “mastercard” pra cada integrante da família.
Sobre os Estados Unidos o ponto em que eu pretendo chegar é: Marta Kauffman. Sim. Marta Kauffman esteve no Brasil.
Mais precisamente nas instalações da rede Globo no Rio de Janeiro. E o habitat natural de “Carminhas” e “Ninas” não a intimidou em seu decreto: “As telenovelas vão acabar”.
Marta é a co-roteirista da sitcom gringa mais popular das últimas décadas: Friends. A autora ministrou neste mês uma aula sobre roteiro que fazia parte de um dos eventos relacionados à masterclass que Robert Mckee deu na cidade carioca ainda no fim de janeiro. Os feitos da autora realmente não são os mais críveis: no último capítulo de sua série (ainda em 2004) uma inserção comercial chegou a custar dois milhões de dólares, um destaque cultural para Marta é o fato da contração idiomática “How you doin?” ter ganhado força como gíria no inglês ocidental e vale lembrar que uma franquia de cafeteria chamada “Central Perk” chegou a ser construída em países como China e Emirados Árabes.

Central_Perk

E então Martinha vem retormar uma idéia que vira e mexe gera manchete e discussões acaloradas de telespectadores, produtores e pensadores do “fazer TV”. Martinha vem a uma platéia de latinos americanos dizer que a ópera de sabão deles está fechando as suas cortinas. Daqui por diante nós brasileiros, detentores das melhores telenovelas do mundo, teremos que vender nosso sabão com teledramaturgia semanal.

Cabe perguntar: nosso sabão Marinha? Mesmo? Defendido por personagens estereotipados cujo texto se resuma a um nonsense e impertinente “How you doin?”. É esse o caminho da TV brasileira Martinha? (Nesta parte do texto o leitor pode inserir risadas pré-gravadas acompanhando sua leitura).
Infelizmente eu nunca consegui gostar de Friends. Infelizmente, mesmo, pois meus melhores amigos são tarados pela série. Olha o dilema. Eu já tentei me esforçar pra não ficar boiando quando alguma situação maldita acabava rememorando a paixão deles pela história. Já assisti em torno de três ou quatro capítulos: IN-TEI-ROS. Não rolou nem flerte.
Devemos convir que a gringa Martinha realmente conta com um grande ponto a seu favor: as soap operas ou telenovelas não têm mais a mesma audiência de outrora. E isso realmente é bem verdade. Senhora do Destino (2004) foi a última telenovela da década a superar as mais pretensiosas expectativas em rating e share. Consagrou-se na casa dos 52 pontos de média (durante os oito meses em que ficou no ar) chegando a picos de 67 pontos no último capítulo. Em tempos em que o hábito do telespectador muda e o afugenta para os OAP’s (da sigla “outros aparelhos” como, por exemplo, DVD’s e videogames) e principalmente para os OCN’s (da sigla “outros canais” onde há concorrência direta principalmente dos canais de TV por assinatura) hoje uma novela se consolidar na casa dos 50 ou 60 pontos de média geral (durante seus oito meses no ar) é algo extremamente impensável.

nazaré

Contudo, mesmo com o sucesso estrondoso a partir de 2004 as telenovelas nacionais foram tendo com o passar dos anos uma considerável queda de audiência. Para a Record o prejuízo foi maior ainda, pois, no ano passado a emissora teve de abrir mão de uma faixa destinada ao gênero quando o SBT voltou a brigar pela vice-liderança. Vale lembrar que atualmente a emissora paulista exibe  somente uma única novela em sua programação.
Mesmo com este cenário onde as cortinas das óperas de sabão parecem ser fechadas alguns fatores ainda parecem pôr abaixo a profecia de Martinha Kauffman:
Avenida Brasil. A fábula moral e fenômeno de repercussão foi o produto televisivo mais lucrativo da história da América Latina. Rendeu dois bilhões de reais. Isso que ainda nem chegou a ser vendida pros gringos. Para tentar uma comparação: chegou a ser divulgado na mídia em 2010 que o faturamento anual inteiro da rede Record (quando a emissora era ainda vice-líder isolada em audiência) foi algo em torno de 2,7 bilhões. O que seria, portanto, um faturamento similar a uma única produção teledramatúrgica global. Bem, se uma turma bastante graúda de empresários escolheu Carmem Lúcia pra vender seu sabão creio que esta balela de “a telenovela estar com os dias contados” possa ser novamente enterrada. E desta vez mais do que nunca a culpa da Rita, é claro.
Outro índice que pode demonstrar como a gringa Martinha pode “tá variando das idéia” é o fato de que a rede Globo ficou em 2° lugar entre as maiores emissoras do mundo em 2011. A principal produtora mundial de telenovelas perdeu somente para a ABC dos Estados Unidos. Todas as outras emissoras do mundo (inclusive norte-americanas) tiveram um faturamento menor que o dela de acordo com o site “Comunique-se”. Vale lembrar que de olho na fuga de espectadores e na possibilidade de um negócio “tipo exportação” a emissora  passou em 2011 a preencher sua faixa noturna com mais uma produção dedicada ao gênero (os remakes de “O Astro”, “Gabriela” e para este ano a nova adaptação de “Saramandaia”).
Vale lembrar também que as telenovelas até então consideradas como um “gênero menor” passaram a ser reconhecidas pelos gringos no Emmy. Na premiação norte-americana do ano de 2008 as novelas passaram a ser categorizadas pelo Emmy. Uma curiosidade é que os Estados Unidos, aliás, mantém no ar a telenovela mais longa já produzida e que se mantém exibida desde o ano de 1965 (exibida na emissora NBC e chamada “Days Of Our Lives”).
Será mesmo que a era das óperas de sabão começaram um caminho em direção ao ostracismo? A gringa da Martinha ta dizendo que sim gente. Eu não sei se confio nos gringos sabe? Parece um desejo imperialista em mudar o hábito das  donas de casa tupiniquins. Deixa a gente continuar falando mal de “Salve Jorge”. A gente adora viu Martinha? Pois, todo mundo já teve aquele primo que foi pra Disney, em Orlando. Aquele primo que voltava com um verdadeiro tesouro entre as mãos: brinquedos de cores, formas e luzes nunca vistos antes. Era incrível como num primeiro momento aquele brinquedo novo realmente era o maior dos tesouros: parecia vir de outro mundo, tinha outro valor, era diferente pra cacete. Mas não é engraçado como depois de ouvir todas as histórias fabulosas daquele novo mundo você se sentava no chão e voltava a brincar com o seu carrinho?

(Curta a página do BLOG “Meme é a Mensagem” no Facebook)